Sexta-feira | 30 de Julho de 2021 06:34
EM CAMPO LARGO 16º | 20º  
Opinião

Quem melhor para entender os anseios do que a população?

Essa não será a primeira e provavelmente não será a última vez que escrevemos sobre a força de uma população unida, em busca das melhorias que impactam as suas vidas.

Essa não será a primeira e provavelmente não será a última vez que escrevemos sobre a força de uma população unida, em busca das melhorias que impactam as suas vidas. Isso porque ninguém melhor do que a população para entender os anseios e dificuldades enfrentadas na sua região. Sempre há o que melhorar e fazer, nada está ou ficará um dia 100% pronto, e é por isso que as cobranças ao poder público precisam ser constantes.

Vemos hoje algumas organizações na cidade, que jamais deixam de lutar em prol da sua comunidade. Um exemplo são as transformações da região do Jardim Guarany, Colônia Dom Pedro, Vila Dom Pedro, Vila Conceição, Revier... Não basta somente o viaduto, é preciso a obra completa, com segurança para todos. Não há descanso ou pausa nas cobranças, quando se envolve risco de vida e grandes tragédias. Essa organização torna-se essencial, pois por meio dela fica mais fácil definir as pautas, erguer a voz e ir atrás dos seus direitos, descobrir de quem cobrar e como reivindicar. Quando estão juntos, a voz é mais alta e mais forte.  

Há mais exemplos de união entre moradores que buscam melhorias para a sua região. Na semana passada, a Folha trouxe a situação de moradores do Botiatuva, que cansados de esperar a solução – anunciada desde março de 2020 – reuniram-se para fazer por si só. A Prefeitura de Campo Largo já realizou o reparo, mas meses se passaram entre o problema e a solução.

O que dizer da Avenida Bom Jesus, com seu projeto que se arrasta há anos? Pode ser que tenhamos resultados positivos dentro de alguns meses, mas a região, que é bastante movimentada, precisava de avanços “para ontem”. Com as ondulações e depressões na pista, fica mais fácil do motorista acabar invadindo a contramão. Além disso, a região possui um grande número de pessoas trabalhadoras, que usam o transporte público, transitam a pé ou de bicicleta, com escola na região. Risco triplicado.

Sabemos que o processo para conquistar melhorias é moroso e demanda de um grande trâmite burocrático para acontecer, além das verbas necessárias para a efetivação. Há situações em que os acordos e contratos assinados no passado também podem interferir em todo o andamento de uma obra, mas cabe a nós, na figura de cidadãos e eleitores, não permitir que nossas necessidades caiam no esquecimento. Se união faz a força e pressão faz acontecer, que seja essa a nossa estratégia.