Sábado | 23 de Outubro de 2021 08:28
EM CAMPO LARGO 16º | 20º  
Geral

Muito além do antiestresse, os benefícios por trás dos brinquedos sensoriais

Estimulação da modelação sensorial, coordenação motora, atenção, foco e concentração são apenas alguns dos benefícios citados pela especialista

Brinquedos antiestresse se tornaram uma grande febre entre as crianças. Um deles, o Fidget Toy, ainda continua em alta, seja pela função, formatos diferenciados ou cores chamativas. Feito de silicone, o brinquedo sensorial é leve, lavável e pode ser usado por todas as idades. Mas, quais os benefícios desses tipos de brinquedos aos pequenos?

A psicóloga Letícia Gonçalves (CRP 08/2412), psicóloga infantil com formação em Neuropsicologia pela Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP), explica que os brinquedos antiestresse possuem, sim, propriedades terapêuticas. “São classificados como brinquedos sensoriais, pois permitem a estimulação da modelação sensorial, coordenação motora, atenção, foco e concentração. Proporciona tanto uma sensação agradável devido ao toque, quanto à visão, devido a suas cores.”

A especialista comenta que os brinquedos sensoriais podem ser oferecidos às crianças a partir dos 03 anos. Segue orientando que vale a pena optar pelos Fidget Toy maiores, e para as crianças menores sempre serem supervisionadas por um adulto. Com as crianças maiores é interessante conversar sobre o brinquedo, qual o objetivo dele e utilizá-lo como um recurso de alívio de tensão e em momentos de estresse, indica.

A psicóloga Letícia esclarece que não existem contraindicações no uso deste brinquedo, porém deve ficar atento com a intensidade e na frequência em que a criança está utilizando o Fidget Toy, pois se a criança utiliza a todo momento, cabe uma análise de uma possível manifestação de ansiedade infantil. O ideal é que a criança alterne o uso do brinquedo com as suas demais atividades.

Mas crianças se estressam?

Sim! A especialista explica que as crianças também estão suscetíveis ao estresse. “Assim como os adultos, também apresentam níveis de estresse, porém o que diferencia é a forma de manifestação e a compreensão do estresse. Os adultos apresentam uma melhor compreensão da realidade e das situações que estão vivenciando. Diferentemente deles, as crianças ainda não evidenciam uma compreensão tão apurada dos contextos, e não sabem como expressar o que estão sentindo, mas são impactadas da mesma forma que o adulto”, apresenta. Além disso, transtornos como a ansiedade e a depressão podem afetar as crianças, principalmente no contexto da pandemia.

“Os pais devem ficar atentos ao comportamento que a criança apresenta no âmbito familiar. Durante a pandemia, muitos pais notaram a criança em casa mais irritada, nervosa, chorosa, com elevado níveis de ansiedade passaram a comer mais, além de medo intenso. Costumo dizer que os pais são os mais conhecedores sobre os seus filhos, portanto observe atentamente as modificações de comportamento e, após isso, cabe buscar compreender o que pode ter ocasionado essas mudanças, tentar conversar e ajudar e então buscar uma ajuda profissional”, completa.

Cuidado com o consumismo...

“Um cuidado que os pais devem ter é com relação ao consumismo, mesmo sendo um objeto benéfico que proporciona o alívio do estresse, em excesso ele também traz prejuízos. A busca pelos Fidget Toys na internet aumentou significativamente, levando a um consumo desenfreado. As pesquisas apontam que a quantidade de brinquedos interfere negativamente na qualidade do brincar, além de incentivar o consumismo. Então, será mesmo que as crianças precisam de vários modelos de um mesmo brinquedo?”, finaliza.