Quinta-feira às 25 de Julho de 2024 às 02:47:56
Opinião

Campo Largo e o Paraná em outro patamar

A Folha de Campo Largo teve a satisfação de participar de um evento histórico na manhã desta quinta-feira (04), quando foi inaugurada de maneira oficial a fábrica da Biogénesis Bagó

Campo Largo e o Paraná em outro patamar

A Folha de Campo Largo teve a satisfação de participar de um evento histórico na manhã desta quinta-feira (04), quando foi inaugurada de maneira oficial a fábrica da Biogénesis Bagó, na região do Jardim Carmela. Com muitos representantes do alto escalão da multinacional presentes e autoridades importantes do Brasil, Paraná e de Campo Largo, foi notório que a cidade e o estado do Paraná estão em um nível ainda mais elevado diante dos olhos de grandes empresas e pessoas com visão estratégica de negócios.

Ao longo do discurso proferido pelos representantes da Biogénesis Bagó, foi evidenciado todo o trabalho desempenhado pela empresa que há 80 anos trabalha para ser uma referência no mercado global, capaz de realizar grandes investimentos e, junto a milhares de trabalhadores focados em tecnologia e inovação, oferecer soluções que impactam de maneira positiva o mundo, levando mais saúde às criações de animais e também, agora, aos animais domésticos, por meio de vacinas diversas e insumos. São atendidos mais de mil clientes pela empresa, que possui também diversas parcerias com governos ao redor do planeta. Em quatro anos, somente para o Brasil, a Biogénesis Bagó forneceu mais de 100 milhões de vacinas. Representantes da empresa argentina e também o próprio cônsul da Argentina no Paraná, Eduardo Leone, enfatizaram que a cada vidro de imunizante produzido há muito valor agregado, referenciando mais plantas sendo abertas, mais geração de emprego, circulação da economia de maneira geral e saúde animal.

Durante seus discursos, as autoridades do estado e do município evidenciaram também como as iniciativas que promovem avanços de tecnologia são bem-vindas em terras paranaenses. Percebe-se há um tempo a preocupação em fazer do Paraná um campo fértil para a abertura de novas empresas e no desenvolvimento de profissionais que estejam aptos ao trabalho, para a realização de novas descobertas, inovações que propõem transformação para a sociedade. Um exemplo, enfatizado ao longo dos discursos foi o alto investimento em projetos de pesquisas, que passou de R$ 78 milhões para R$ 708 milhões. São hoje 22 mil doutores disponíveis para trabalhos diversos em pesquisas nas mais variadas áreas, com recursos disponíveis para fazê-las e tornar o Paraná um estado ainda mais forte, maior e melhor.

A vinda para Campo Largo foi uma junção de fatores e oportunidades. Um ponto estratégico por parte da empresa, que visava uma expansão, seu corpo de acionistas que aprovaram a iniciativa e um prédio praticamente pronto, com os contatos certos e na medida para recepcionar a gigante argentina, em uma cidade geograficamente estratégica para abrir um centro logístico. E, se tudo que é feito aqui, é bem feito, o resultado não seria outro se não a criação de mais oportunidades de emprego aos campo-larguenses. Cerca de 300 novos postos de trabalho serão abertos, gerando empregos diretos e indiretos. A expectativa é que alguns cargos já comecem a ser preenchidos, principalmente de especialistas, mas ainda neste ano, deve iniciar a contração de profissionais locais. Ganha a empresa, que poderá contar com todo o apoio e mão-de-obra abundante, ganha o Estado, com uma vitrine e oportunidade de instalação de mais empresas, e principalmente ganha Campo Largo, com  geração de emprego e tendo seu nome levado ainda mais longe.