Quarta-feira às 06 de Julho de 2022 às 06:46:46
EM CAMPO LARGO  | 23º
Opinião

Ressuscite o amor ao próximo nesta Páscoa

Amar como Deus amou não é tarefa fácil, mas ainda assim, com toda a falta de tempo, dinheiro e com a maldade que há no mundo é sim possível

Ressuscite o amor ao próximo nesta Páscoa

Amar como Deus amou não é tarefa fácil, mas ainda assim, com toda a falta de tempo, dinheiro e com a maldade que há no mundo é sim possível. Transformar a vida de alguém, ainda que por alguns minutos, com atitudes de amor e carinho podem fazer toda a diferença no futuro dela.

Para os cristãos, Jesus é o maior exemplo de bondade e amor ao próximo. As pessoas viam o resplandecer do Amor de Deus sendo manifestado em cada palavra e gesto. Pessoas das mais diversas personalidades, estilos de vida se aproximavam dEle e tinham suas histórias transformadas, para que cada vez se aproximassem mais daquele estilo de vida que se assemelha ao Céu.

É muito comum ver pessoas falando que Jesus andava com pessoas, consideradas na época, à margem da sociedade, mas na verdade eram elas que andavam com Jesus. Quando Ele diz à mulher apanhada em adultério, no livro de João, capítulo 8, Ele fala que não a julga, mas faz o alerta para que seguisse sua vida sem cair no pecado novamente. Esta mesma história nos mostra que quando há perdão, o passado já se foi e é preciso começar uma nova página, nova vida com atitudes coerentes com a vida que propomos seguir.

Não somos perfeitos, ninguém é. A história da mulher adúltera nos comprova exatamente isso. Ao ser apanhada, escribas e fariseus - que eram líderes da época - levaram até Jesus e perguntaram se não haveria de apedreja-la. Neste momento, Jesus escreve então os pecados daqueles que a julgavam na areia, mostrando que ainda que todos tenham erros, estes podem ser apagados quando há confissão e sinceridade no coração.

Amar o próximo também está em acolher, tornar-se uma influência positiva na vida daquele que precisa. O mundo não precisa de juízes, cheios de si, para fazer julgamentos, mas de pessoas dispostas a amar. Este momento histórico que vivemos evidencia a necessidade, praticamente absurda, de atenção, cuidado e amor.

Quando falamos da necessidade de abrigar essas pessoas em nossos colos, não estamos considerando apenas aquelas que vivem em meio à guerra ou à pobreza extrema, mas da nossa própria família, que vem sendo deixada de lado em detrimento de dias cada vez mais cheios, com palavras automáticas e vazias. Vem muitas vezes a dúvida se estamos mesmo dando a atenção devida aos nossos filhos ou aproveitando a velhice de nossos pais e avós da maneira que deveríamos. Ou então, paramos para pensar se todas as brigas que nos envolvemos, que envolvem a ignorância, a atitude de “virar a cara” poderia ser resolvida se o orgulho fosse deixado de lado por cinco minutos.

No fim de tudo, o aprendizado é todo nosso. Você pode não acreditar em Deus, mas não pode negar a importância das palavras deixadas pelo maior Líder que o mundo já conheceu ou não concordar que o seguir a Cristo transforma verdadeiramente as pessoas. Quando falamos sobre isso, estamos evidenciando a fé e não a religião. É difícil falar sobre fazer um mundo melhor, porque há muitos elementos envolvidos, é algo que vai além da nossa capacidade humana. O que podemos evidenciar então é a importância de fazer de nós mesmos seres humanos melhores. Que seja pela oração, pela ação e pelo estudo da Palavra, aplicando ela à sua vida. Que seja para honrar e bendizer e louvar o nome do Senhor. Que esta Páscoa nos transforme pelo amor e sangue de Cristo e que no restante dos dias estejamos abertos para levar esperança ao nosso próximo.