Terça-feira às 28 de Maio de 2024 às 11:43:08
Geral

Campo Largo segue firme na campanha de doação para o Rio Grande do Sul; Defesa Civil e Desenvolvimento Social falam sobre doações para o município

Campo Largo segue firme na campanha de doação para o Rio Grande do Sul; Defesa Civil e Desenvolvimento Social falam sobre doações para o município

Com três caminhões já enviados para o Rio Grande do Sul, com média de arrecadação de 100 a 120 toneladas de itens diversos – que vão desde alimentos até colchões, roupas, calçados, brinquedos e muito mais – Campo Largo segue firme na campanha para auxiliar as famílias gaúchas, que sofreram com enchentes e grandes estragos em residências, estabelecimentos comerciais e diversas instituições desde o início de maio.

Hoje o foco principal é a alimentação, água e ração, conforme descreve a diretora de Apoio Técnico e Controle da Prefeitura, Cristiane Jaskievcz. “Temos mais de oito caminhões de roupas, que precisamos de voluntários para a realização da triagem. Estamos disponibilizando alguns espaços no Centro da Juventude para o armazenamento. Eles não têm muitos voluntários lá no Rio Grande do Sul, então precisamos enviar o mais organizado possível, por isso o pessoal da nossa triagem, feita de voluntários campo-larguenses, tem ajudado muito.”

Ela pontua que recebem itens infantis, como brinquedos, que fazem a diferença para as crianças que estão nos abrigos. Também recebem descartáveis, como pratos, copos, talheres e guardanapo, e comidas enlatadas, visto que muitas regiões não têm como preparar alimentos ou como servi-los, por isso acaba sendo mais prático.

“Para a destinação, temos a orientação da Defesa Civil do Paraná, que está em constante diálogo com a Defesa Civil do Rio Grande do Sul. Também contamos com o apoio do Corpo de Bombeiros, que auxiliam com o contato. Precisamos fazer uma autorização para que as doações cheguem ao destino que eles mencionam; essa parte de comunicação é de Estado para Estado, pois visa a organização, para que chegue às cidades que mais precisam. As cargas e os caminhoneiros são acompanhados pela polícia local, Defesa Civil e Polícia Rodoviária Federal, justamente para evitar situações de roubos de cargas. Tudo está chegando ao destino”, enfatiza.

Em Campo Largo, Cristiane conta que a média de voluntários são 30 pessoas por dia. Doações de lanches e refeições para estes voluntários também são bem-vindas. “Como começamos a parte da triagem, precisamos de voluntário direto aqui. Precisamos de pessoas que façam a arrecadação, separação e empacotamento destes itens. Na última entrega que fizemos, o caminhão chegou em um momento que ninguém tinha comida mais lá. Não levou 30 minutos para que fosse distribuído tudo. Foi algo muito emocionante para todos os campo-larguenses”, destaca.

“A gente tenta conter o choro, mas continuamos firmes porque percebemos que o que está acontecendo lá é muito pior do que estamos vendo na televisão. E sentimos que o campo-larguense não é uma pessoa só, mas um grupo de pessoas unidas pelo bem do próximo. Em um dia e meio, a população conseguiu encher um caminhão só com doações de comidas e água. Ainda temos as pessoas que estão fazendo doações de maneira particular e estão levando para lá. Não colocamos data de finalização na campanha porque iremos ajudar pelo tempo que eles precisarem. Quando recebermos a informação de que o abastecimento de alimentação é suficiente, entraremos em uma nova fase da campanha, para arrecadação de materiais de construção, o que deve ser comunicado em breve”, finaliza.

 

Doações para Campo Largo

Durante o final de semana, leitores da Folha questionaram sobre como poderiam fazer doações direcionadas às pessoas carentes ou em situação de rua e que sofrem dentro do próprio município. A Folha conversou com o secretário de Desenvolvimento Social, Eliezer Leal, que explicou melhor como funciona a ajuda para os campo-larguenses.

“A Defesa Civil possui um depósito onde ficam lonas, colchões, alimentação, que é destinado para atender situações que acontecem dentro de Campo Largo. Para as pessoas em situação de rua, temos o Centro Pop, no Ouro Verde, onde eles têm o acompanhamento médico, psicológico, de assistente social – quando precisa voltar para o município de origem, nós fornecemos essa passagem, por exemplo – são dadas roupas, alimentação e a pensão noturna para quem deseja ficar. As pessoas que querem ajudar nessa causa, devem procurar diretamente o Centro Pop, direcionando suas doações. Para famílias que possam vir a enfrentar destelhamentos, por exemplo, ou qualquer outro dano de origem da natureza, podem procurar a Defesa Civil.”

O secretário conta que há um acompanhamento por parte do município para com famílias carentes, que podem receber benefícios assistenciais que se enquadre, que pode ser por tempo determinado, serem encaminhadas para atendimento com advogado dativa – gratuito, benefício do BPC, entre outros.

“É feito um acompanhamento porque a intenção da secretaria é desenvolver, impulsionar essas famílias para que elas tenham uma vida melhor, que seja somente uma fase que elas estejam passando. Há encaminhamento para vagas de emprego, por exemplo, mulheres e crianças são retiradas de situação de vulnerabilidade e violência, sempre na intenção de desenvolver essa mulher para que ela alcance a sua independência e volte a ter uma vida digna. Já tive a oportunidade de ver histórias de famílias que conseguiram se recuperar e é muito bonito”, completa.

O secretário explica ainda que algumas peças de roupas arrecadadas ficarão em Campo Largo para serem distribuídas na tradicional campanha de enfrentamento do inverno, que é bastante rigoroso na cidade. “Estamos fazendo triagem dessas peças e parte será enviada para o Rio Grande do Sul. A outra parte será distribuída em Campo Largo, durante o período do inverno. É importante o munícipe saber que o mesmo carinho que ele tem ao separar as roupas e trazer para a doação, é o mesmo carinho que temos aqui para a destinação correta, para que cheguem nessas pessoas que precisam. Nada será deixado parado, pois são muitas pessoas que precisam. Por isso, pedimos somente que você doe o que gostaria de receber, peças limpas, em bom estado de conservação e alimentos dentro da data de validade, que podem ser consumidos”, finaliza.