Sexta-feira | 30 de Julho de 2021 07:15
EM CAMPO LARGO 16º | 20º  
Saúde

Número de contaminados pela Covid-19 volta a aumentar e cenário é preocupante

Novo decreto será publicado nesta quinta-feira (20) para evitar um colapso assim como aconteceu em março deste ano

Nesta quinta-feira (20) será divulgado o novo decreto municipal com algumas restrições devido à pandemia da Covid-19. A Folha conversou com a secretária municipal de Saúde, Danielle Fedalto, a qual afirmou que o “atual cenário infelizmente não é confortável, é assustador novamente”.

Na quarta-feira (19), estiveram reunidos na Prefeitura com representantes de várias categorias e o prefeito ouviu a todos para elaborar o novo decreto. Segundo ela, medidas restritivas serão necessárias para não voltar a sofrer o que aconteceu em março deste ano, com bandeira vermelha e colapso na Saúde, no setor público e privado. Por enquanto permanece na bandeira laranja e números precisam ser controlados para não entrar na Bandeira Vermelha.

“Qualquer lugar que tem pessoas corre o risco de contaminação, por isso precisamos reduzir a circulação de pessoas”, comenta a secretária, lamentando que os números voltaram a aumentar, não só em Campo Largo, mas Região Metropolitana e Estado como um todo. Os atuais números já sinalizam que estamos em uma curva ascendente, com novos casos confirmados e aumento no atendimento de pacientes com síndromes respiratórias.

A ocupação de leitos também volta a ficar preocupante na Central de Leitos da macrorregional leste. Estava em 96% de ocupação nesta quarta-feira (19), com apenas 42 leitos de UTI disponíveis, o que pouco pode se considerar e é bastante preocupante, levando em consideração uma possível piora de pacientes já internados e que poderiam ocupar estas vagas. Também tem se observado pacientes contaminados por mais tempo tendo que receber o suporte no Centro Covid (Centro Médico Hospitalar), porque fica mais difícil o encaminhamento ao leito hospitalar pela dificuldade em conseguir leitos.

Além dos números atuais – último boletim com 659 casos ativos e um total de 341 óbitos - também se prevê aumento em virtude do Dia das Mães. “Datas comemorativas infelizmente acaba tendo frutos negativos e com a variante do vírus, mais agressivo, as pessoas estão adoecendo mais rapidamente, cerca de dez dias depois. Ainda vai repercutir estes números”, explica. As novas variantes também atingem pessoas mais novas, levando a óbito inclusive adultos jovens.

A secretária explica que nas medidas restritivas impostas em outros momentos, conseguiram reduzir a taxa de transmissão para 0,80. Hoje a preocupação é que a taxa está em 1,11 , ou seja, cem pessoas transmitem para 111 pessoas. “Medidas de prevenção precisam ser mantidas, evitar aglomerações, usar máscara, álcool em gel, porque infelizmente não tem medicamento para Covid e sim vacinação, que está acontecendo por faixa etária conforme disponibilidade das doses”, frisa. Até quarta-feira (19) foram aplicadas 22.662 primeiras doses e 11.103 segundas doses (diferença se dá porque as pessoas aguardam prazo para tomar a outra dose).

 

Quanto à vacinação, Danielle diz que não está tendo a procura esperada das pessoas mais novas com comorbidades e com isso logo devem ampliar a faixa etária. Também em breve devem retomar vacinação de gestante e puérperas com comorbidades, a qual estava suspensa. Ela alerta que para essas pessoas será necessário ter um atestado médico para ser vacinada, por isso já podem adiantar essa documentação para poder vacinar assim que as doses cheguem.

“Infelizmente também está baixa a procura da Vacinação da Gripe, disponível em várias unidades”, cita. A vacinação contra a gripe pode evitar sintomas que possam ser confundidos com a Covid-19, além de evitar essa doença. Atualmente entre 60 a 65% dos exames realizados no Centro Covid resultam positivo para Covid-19.