Sexta-feira | 30 de Julho de 2021 07:02
EM CAMPO LARGO 16º | 20º  
Opinião

Saúde financeira sendo aprendida na prática pelos brasileiros

Não é somente da saúde física que a população brasileira está perecendo.

Não é somente da saúde física que a população brasileira está perecendo. Os indicadores também dão conta de mostrar problemáticas nas questões financeiras do brasileiro, que há muitos anos não é das melhores. Ainda no ano passado, um levantamento mostrou que em alguns bancos a busca por crédito especial chegou a aumentar 113% no mês de abril. Esse aumento fez crescer o cuidado para evitar a inadimplência do pagamento das parcelas dos empréstimos, o que fez com que fossem lançadas linhas diferenciadas de crédito ou pedidos de garantias contundentes.

As justificativas para a busca por esse crédito são justamente os reflexos vivenciados pela pandemia da Covid-19. Com estabelecimentos comerciais fechados, há redução nas jornadas de trabalho e consequentemente de salário. Buscar por alternativas de conseguir uma renda extra para a família tornou-se mais difícil, especialmente com os filhos em período integral em casa. Aumentos constantes em serviços essenciais, como contas de água, luz, gás e alimentos, que se tornaram difíceis de serem reduzidos, principalmente quando fica mais tempo em casa, somado ao pagamento do aluguel ou financiamento imobiliário. Tudo se tornou uma bola de neve, para uma família que muitas vezes já apresentava um alto endividamento mensal.

Isso sem contar situações em que há perda de emprego, pessoas da família que ficaram doentes ou foram a óbito, o que além do abalo psicológico, gera também gastos. É algo pelo qual grande parte dos brasileiros não estava preparado para atravessar, mas que se viu na obrigação de enfrentar.

Sem um fundo de emergência ao qual recorrer, a solução foi procurar um banco – seja um banco particular ou um banco específico para financiamentos – e realizar empréstimos, que muitas vezes possuem juros bastante altos e fora do orçamento familiar, quando não há um conhecimento prévio do que se procura. O que parecia uma saída, acabou se tornando mais uma dívida a ser carregada pela família.

Este ano, de 2021, surgiu como se fosse uma promessa para grande parte da população, que imaginava que seria tudo muito diferente. Mas a busca pelos empréstimos continuou acontecendo. Seja na parte das empresas, como demonstramos na matéria feita junto com a Acicla, ou também para no crédito pessoal.

Caso precise recorrer a essa saída, leia atentamente o contrato e busque seu banco para renegociação de dívidas, pois neste tempo de dificuldade financeira, as instituições bancárias se mostram mais flexíveis na hora de negociar. Não se renda a juros abusivos e prefira ofertas customizadas de crédito, que atendam justamente o seu perfil como cliente. É sempre melhor fugir de taxas do cartão de crédito e cheque especial, pois são as mais altas do mercado. Embora neste momento estejamos vivendo dias complicados e ruins, tudo é fase de aprendizado. Que possamos nos interessar e aprender mais sobre economia e tomar atitudes mais sábias com o nosso dinheiro desde agora.