Quinta-feira | 20 de Janeiro de 2022 23:22
EM CAMPO LARGO 16º | 20º  
Geral

Pesquisa é sempre o melhor caminho ao comprar materiais escolares

Especialmente em um ano em que o orçamento das famílias está mais justo, pesquisar torna-se indispensável

A variação de preços nos itens de materiais escolares é grande, por isso, é sempre importante ter em mãos a lista de materiais escolares, disposição e tempo para pesquisar e encontrar os melhores preços e/ou condições.

A Folha de Campo Largo procurou três papelarias campo-larguenses para pesquisar itens básicos de materiais escolares, como caderno universitário de uma matéria e Matemática, pacotes de folha sulfite e papel criativo, lápis de cor e tesoura, que costumam serem os itens mais caros da lista. Buscamos sempre os itens mais baratos e os mais caros de cada estabelecimento. Iremos nomear de Loja A, Loja B e Loja C, pois a Redação não pode divulgar os nomes dos locais.

Nos cadernos universitários para uma matéria há pouca variação de preço em duas lojas pesquisadas. A Loja A vende cadernos a partir de R$ 8,90, já a Loja B por R$ 8,50. O mais barato encontrado foi na Loja C, cujo preço é de R$ 5,50. Os cadernos universitários possuem grande variedade de valores em ambas as lojas, seja pelo desenho estampado na capa ou marca. Os valores destes itens podem chegar a R$ 31,90, nas lojas B e C. Na Loja A, a média foi de R$ 20.

Já o caderno de Matemática, tamanho universitário, o mais em conta na Loja C foi de R$ 6,90 podendo chegar a R$ 16,90. Na Loja A, o preço varia de R$ 9,90 até 14,90 e na Loja B de R$ 9,50 até 15,90.

Nos papéis, a Loja A trabalha apenas com uma marca, comercializada a R$ 6. Os preços mínimos vistos na Loja B e Loja C foram R$ 4,70 e R$ 6,80, respectivamente. O papel criativo tem variação da marca comprada. Na Loja A, comercializado apenas de uma marca, está custando R$ 10,90. Já na Loja B o valor vai de R$ 8,90 até R$ 20,50 e na Loja C de R$ 9,90 até 21,90.

As caixas de lápis de cor apresentam variação de acordo com o tamanho e a qualidade dos itens. Os preços mínimos coletados foram R$ 5,50 (A), R$ 3,99 (B) e R$ 4,90 (C). Os lápis da marca Faber Castell são os mais caros, variando entre R$ 19,90 (A) e R$ 15,50 (B). As tesouras também variam de acordo com as marcas, com preços a partir de R$ 2,50 (A), R$ 3,50 (B) e R$ 3,90 (C), chegando a custar R$ 12,90 na Loja A, R$ 15,50 na Loja B e R$ 15,90 na Loja C.

Materiais da Prefeitura
Desde 2021, a Prefeitura de Campo Largo divulgou que alunos das escolas públicas municipais irão receber materiais escolares fornecidos pelo órgão. Ainda não foram divulgadas as datas para a retirada dos itens ou quais serão fornecidos. Assim que posicionado pela Secretaria de Educação do Município, a Folha irá informar aos leitores.

Economizando nos materiais
Segundo levantamento feito pela Pritt com pais de alunos, 72,5% afirmaram que os materiais escolares são comprados acompanhados com os filhos e para 84,3% dos entrevistados, janeiro é o mês de iniciar a busca pelo material escolar. Para quem gosta de levar as crianças junto às compras, é sempre importante uma conversa antes, para evitar gastos desnecessários ou por impulso, que encarecem no valor final.

Entre os conselhos dados por especialistas em economia, está primeiramente incluir este gasto no orçamento familiar, poupando para este fim ao longo do ano. Pagamentos à vista podem dar bons descontos às famílias.

Sempre visualizar itens do material escolar do ano passado e selecionar o que pode ser usado novamente em 2022. Em geral, itens como tesoura, réguas, mochilas e pastas podem ser reutilizados.

Uma estratégia usada por muitas pessoas é comprar itens em lojas diferentes. Em Campo Largo, por ser uma cidade menor e com mais proximidade, a pesquisa pode ser feita de maneira rápida, inclusive com deslocamentos a pé. Dúvidas podem ser sanadas via telefone ou mesmo WhatsApp dos estabelecimentos.

Procon orienta o que a escola pode e o que não pode solicitar na lista de materiais


O Procon Campo Largo informa que, segundo a Lei Estadual nº 17.322/2012, é proibido a cobrança de taxas ou qualquer cobrança referente a material de uso coletivo, tais como produtos de limpeza, giz, fita crepe, atividade de laboratório, bem como os utilizados na área administrativa .

“A lista deve se atentar aos materiais utilizados para as atividades pedagógicas diárias do aluno e também de higiene Pessoal, como por exemplo folha de sulfite, papel dobradura, tinta guache, lápis, caneta, borracha, escova de dente, toalha, creme dental, etc. É lícito aos pais dosar uma quantidade coerente com o andamento das atividades praticadas, podendo se preferir dividir a entrega dos materiais, e posteriormente complementar, devendo ficar atento caso lhe seja solicitado”, informa o órgão.

É importante lembrar que a escola não pode exigir a aquisição de produtos de uma determinada marca ou em determinado local. Qualquer dúvida entrar em contato com o Procon pelo telefone (41) 3232-1200.