Sabado às 15 de Junho de 2024 às 08:33:28
Geral

Campo Largo reciclou 107.587 quilos de lixo reciclável por meio do projeto “Casa so+ma”

Em breve o projeto também será implementado nos bairros Ferraria e Itaqui; atualmente são 945 famílias campo-larguenses cadastradas no projeto

Campo Largo reciclou 107.587 quilos de lixo  reciclável por meio do projeto “Casa so+ma”

A primeira semana de junho é conhecida como a Semana Nacional do Meio Ambiente, também em comemoração ao dia Mundial do Meio Ambiente, que é celebrado no dia 05 de junho e tem como objetivo chamar a atenção das pessoas, em todo o mundo, para as questões e problemas ambientais, para as ações do homem que podem impactar negativamente na biodiversidade, para a importância da preservação dos recursos naturais e do desenvolvimento sustentável. O lixo é uma das maiores preocupações, pois aproximadamente 33,3 milhões de toneladas de resíduos sólidos urbanos tiveram destinação inadequada em 2022, conforme dados do Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil 2023, divulgado pela Associação Brasileira de Resíduos e Meio Ambiente (ABREMA).

Campo Largo conta desde 2023 com o projeto “Casa so+ma”, que promove tanto a conscientização do cuidado com o meio ambiente, como também o envolvimento social na comunidade. Segundo dados mais atualizados do projeto (31/05/2024), durante este período que está sendo executado, 945 famílias estão cadastradas no programa e foi possível reciclar 107.587 quilos de lixo, uma média de nove toneladas por mês.

A coordenadora do projeto, Claudia Pires, trouxe ainda dados dos impactos ambientais positivos, resultado da adesão dos campo-larguenses ao Casa so+ma. “Nós estamos presentes em algumas cidades, como Florianópolis (SC), São Paulo, Camaçari e Salvador (BA), além de Curitiba e Campo Largo, e posso dizer que Campo Largo foi uma das cidades que mais engajou e entendeu a importância do projeto, tendo uma grande participação, com uma resposta bastante positiva. Estamos em expansão do projeto para mais dois bairros da cidade, que são o Ferraria e o Itaqui, locais que verificamos um grande fluxo de pessoas.

Sempre nos estabelecemos em locais de ‘passagem’, onde a pessoa pense ‘vou passar por ali mesmo, já vou levar os lixos para a reciclagem’ e é algo que tem dado muito certo.”
Os dados surpreendem. Segundo o levantamento, neste pouco mais de um ano de implementação, por meio da reciclagem, houve uma economia de 8.690.435 litros de água e 14.799.075 litros de água deixaram de serem contaminados. Além disso, 359.238 quilos de CO2 deixaram de ser emitidos, 1.319 árvores foram salvas e houve a economia de 336.600 KW/h e R$ 18.653,68 foram economizados.

Entenda mais sobre o projeto
A startup so+ma é a primeira ESG Tech do Brasil, que busca melhorar a gestão administrativa por meio de ações que cuidem do relacionamento com fornecedores, distribuidores, funcionários, clientes e comunidades próximas à empresa, que zelem pela preservação do meio ambiente e cuidem do relacionamento com os governos, e foi criada e idealizada há nove anos.

Seu principal objetivo é estimular a prática da reciclagem, permitindo que a população reverta seus resíduos sólidos recicláveis em créditos por meio do Programa so+ma vantagens, e os troque por benefícios como cursos profissionalizantes, produtos básicos como mantimentos, itens de higiene pessoal ou, ainda, possa transferir doações para ONGs locais. “Nós conhecemos essas pessoas que trabalham com o nosso projeto, que estão preocupadas em reciclar ou que fazem da atividade o seu trabalho. Quando elas ficam algum tempo sem aparecer, nós enviamos mensagem, incentivando-as a voltarem a reciclar. Os nossos containers amarelos, que são muito conhecidos, funcionam como pontos de engajamento, onde o profissional responsável pelo atendimento dessas pessoas sempre explica o processo, o que pode ser reciclado e humaniza o processo. Isso faz com que a adesão seja ainda maior”, enfatiza Claudia.

Os participantes do projeto podem acompanhar seus desempenhos e como impactaram positivamente com a destinação consciente através do extrato ambiental e também de um ranking, que mostra a colocação de cada um no município. Há incentivo ainda para espalhar o projeto para amigos e familiares – com pontuação específica para quando um amigo adere ao programa – e também possibilidade de realizar doações. Inclusive, após as chuvas que devastaram o Rio Grande do Sul, o projeto possibilitou que os participantes doassem suas pontuações para atender às necessidades dos gaúchos, o que está sendo feito de maneira segura e transparente. “Com uma atitude, a pessoa ajuda duas vezes. Primeiro pela destinação correta do lixo, então o ambiente é preservado, e a outra quando ela doa a pontuação, auxilia famílias através de projetos sociais e também as famílias das cooperativas para as quais são destinados os lixos recicláveis”, descreve.

Ressalta ainda a importância da adesão que as empresas fazem com o projeto, sendo essa uma forma de logística reversa e de engajar verdadeiramente em ações de preservação do meio ambiente.
Claudia destaca ainda que os resultados são visíveis quando há atuação do projeto e entendimento da proposta. “Principalmente quando vamos em regiões mais periféricas de locais onde estamos instalados, verificamos uma paisagem mais bonita, pessoas mais conscientes e que participam verdadeiramente da ação. Uma vez, em São Paulo, uma mãe veio até mim e disse que agora ela poderia deixar o filho brincar sem medo, porque o número de cacos de vidro no chão havia diminuído. Também já tive relato de pessoas que pegaram mantimentos na troca de seus pontos e calcularam quanto gastariam no mercado caso precisassem comprar. São histórias que nos deixam motivados a estender cada vez mais o projeto”, finaliza.

Atenção: outros tipos de materiais não recicláveis não são aceitos no local. Para se cadastrar no Programa so+ma vantagens em Campo Largo, ou saber mais sobre o programa, acesse o sitewww.somavantagens.com.br ou o aplicativo https://app.somavantagens.com.br/Enrollment/Enroll.