VERSÃO IMPRESSA
anteriores
EM CAMPO LARGO 15º | 25º

Quarta-feira | 21 de Outubro de 2020 12:52
Quarta-feira | 21 de Outubro de 2020 12:52
VERSÃO IMPRESSA
EM CAMPO LARGO 15º | 25º

Soja - 18/03/16


Por: Ana Lúcia
Alguns estudos comprovam que a população asiática possui menores taxas de doenças coronarianas quando comparada com a população ocidental, e o consumo da soja é visto como o principal fator para esta menor incidência. A soja contém fitoestrógeno (composto natural da planta, parecido com o hormônio estrógeno produzido no nosso corpo) sendo as isoflavonas genisteina e a daidzeina as mais conhecidas.
 
Desde 1999 a Administração dos EUA de Alimentos e Medicamentos (FDA) aprovou o uso e a alegação de saúde de que o consumo diário de soja seria eficaz na redução do risco de doença arterial coronariana. A partir disso, a soja e seus subprodutos tiveram uma demanda aumentada no mercado. Ainda muitos estudos estão inconclusivos, necessitando de mais testes para comprovar sua eficácia e/ou prejuízo.
 
Hoje podemos classificar como:
 
Benefícios:
Algumas isoflavonas, principalmente a genisteína, inibem importantes caminhos de crescimento e proliferação celular (diminui crescimento de células cancerigenas);
Os fitoestrógenos são bons agentes antioxidantes e antiinflamatórios;
Diminui os sintomas da menopausa;
Auxilia na prevenção da osteoporose;
Tem ação com o LDL diminuindo riscos de doenças cardiovasculares.
 
Prejuízos:
Os fitoestrógenos, principalmente as isoflavonas, estão sendo caracterizados como uma substância que "altera a estrutura ou função do sistema endócrino e causa efeitos adversos”, ou seja, são disruptores endócrinos. Alguns problemas que eles podem causar são:
- interrupção da lactação;
- primeira menstruação precocemente;
- fertilidade comprometida;
 
Alguns estudos estão preocupados com o alto consumo de fitoestrógenos, que podem aumentar o risco de carcinogênese e recorrência das mesmas;
 
Nenhum alimento deve ser consumido em excesso, e como agora muitos produtos possuem soja adicionada, moderação é a palavra certa, para maximizar os benefícios que o fitoestrógeno pode gerar a saúde e minimizar os riscos de prejuizos.
 
DRA. ANA LÚCIA B. KUROSKI
Nutricionista - CRN/8 601
Especialista em Nutrição Clínica.
Atende: 3032-5020
 
795 visitas






Sua Opinião





Últimas Notícias