Domingo | 05 de Dezembro de 2021 17:43
EM CAMPO LARGO 16º | 20º  
Saúde

Pesquisa do Paraná aponta que genética influencia impacto da Covid-19 nas pessoas

Estudo é de universidades estaduais do Paraná e outras instituições. Entre os resultados, foi possível classificar os grupos de risco de pessoas infectadas para além da idade e das comorbidades associadas a outras doenças, e que o tipo sanguíneo tem influência nas reações fisiológicas.

Pesquisadores das universidades estaduais do Paraná realizaram um estudo sobre o novo coronavírus que ajuda a compreender como os sistemas naturais de defesa do organismo humano reagem à Covid-19. A pesquisa destaca a interação do genoma do vírus e dos pacientes acometidos pela doença.

O estudo envolveu a revisão de cerca de 90 trabalhos científicos, publicados até julho de 2021, relacionados às variantes do novo coronavírus (Sars-CoV-2) em países como Estados Unidos, Inglaterra, Irã, Itália e Suíça, entre outros.

Entre os resultados, foi possível classificar os grupos de risco de pessoas infectadas para além da idade e das comorbidades associadas a outras doenças.

A doutora em Genética Ilce Mara de Syllos Cólus, que atua como professora no Departamento de Biologia Geral do Centro de Ciência Biológicas (CCB) da UEL, explica que o DNA humano passou por muitas mutações ao longo da evolução, fixando algumas dessas alterações nos genes, que são os responsáveis pelas características físicas e biológicas das pessoas.

“O mapeamento das variações genéticas relacionadas à infecção pelo novo coronavírus evidencia, em parte, o fato de as pessoas reagirem de forma diferente à doença, ou seja, a genética dos pacientes influencia significativamente na forma como o corpo reage à Covid-19”, pontua a pesquisadora.

Ela esclarece que as principais variantes genéticas presentes nos genomas dos pacientes são, particularmente, focadas nos genes ACE2, responsável pela regulação da pressão arterial do corpo humano; e TMPRSS2, referente à entrada e disseminação viral. Essas variantes impactam na predisposição à infecção do vírus e na gravidade da doença.

Para a doutora em Genética Toxicológica, professora Juliana Mara Serpeloni, que também atua no Departamento de Biologia Geral do CCB da UEL, entender as variações genéticas do vírus e das pessoas é importante para o monitoramento e controle da doença.

“As variantes influenciam diretamente na taxa de infecção, na quantidade de vírus que adentra nas células humanas, na capacidade de o vírus escapar do sistema imunológico e nas manifestações clínicas da doença”, aponta.

GRUPOS DE RISCO – Aspectos como faixa etária e comorbidades são insuficientes para explicar a patologia e as reações da doença no organismo humano. Por isso, as variantes genéticas descritas na pesquisa e os fatores moleculares envolvidos na interação genômica entre vírus e paciente favorecem a definição dos grupos de risco.

O estudo sugere a avaliação de hábitos como o tabagismo e o consumo de álcool, assim como fatores genéticos dos pacientes, para melhor classificação dos grupos de risco – também chamados de populações-chave para a dinâmica da pandemia e resposta ao vírus.

Os resultados demonstram, ainda, que o tipo sanguíneo influencia nas reações fisiológicas das pessoas: o tipo “A”, por exemplo, apresenta mais risco de infecção, enquanto o tipo “O” apresenta menos risco.

A pesquisa também constatou que infectividade e letalidade não estão diretamente relacionadas. A letalidade é alta se comparada a doenças de vírus da mesma família.

PARCERIA – O estudo foi realizado em parceria com pesquisadores das universidades estaduais de Maringá (UEM), de Ponta Grossa (UEPG) e do Oeste do Paraná (Unioeste); da Universidade Federal do Paraná (UFPR); da Universidade de São Paulo (USP); do Instituto de Pesquisa Pelé Pequeno Príncipe; e do Instituto para Pesquisa do Câncer de Guarapuava (Ipec).

INTERNACIONAL – A partir desse estudo, as pesquisadoras produziram ainda um artigo acadêmico, publicado na revista holandesa Immunobiology – periódico centenário, considerado referência na divulgação de conteúdos científicos de imunobiologia, sorologia, hematologia, alergia, doenças infecciosas e transplantes.