VERSÃO IMPRESSA
anteriores
EM CAMPO LARGO 15º | 25º

Sexta-feira | 25 de Setembro de 2020 19:32
Sexta-feira | 25 de Setembro de 2020 19:32
VERSÃO IMPRESSA
EM CAMPO LARGO 15º | 25º

Mindfulness na Alimentação

O comer com atenção plena surge a partir das pesquisas que apontam benefícios para a saúde física, mental e emocional

Por: Ana Lúcia

 

O comer com atenção plena surge a partir das pesquisas que apontam benefícios para a saúde física, mental e emocional. Mais que comer deva­gar e de olho no prato, comer com atenção plena significa abrir todos os sentidos para perceber e absorver cores,aromas, texturas, sabores e sons. O tilintar do gelo no copo, a crocância de uma pera ou maçã, o calor de uma sopa que acabou de sair da panela: tudo isso está incluído na experiência de se alimentar. Além da questão sensorial, há ainda uma série de pensamentos e emoções que podem surgir enquanto comemos. Prestar atenção neles também é parte da filosofia, que propõe observar tudo o que acontece dentro e fora de você, no ambiente.

 O não julgamento é um aspecto muito impor­tante. Porque, em algum momento, acabamos nos julgando. Talvez você já tenha dito algo do tipo “Hoje não almocei, só fiz um lanche”, considerando isso negativo. Mas, veja, uma coisa é abrir a geladeira e empilhar ali mesmo, na porta, duas fatias de pão, montar um sanduiche com queijo e comer em pé ou a caminho da rua, com pressa e desatento. Outra é escolher um pão de que você goste, lavar algumas folhas de alface, ralar um pouco de queijo, cortar um tomate, separar um pouco de orégano, esquentar o sanduíche no forno, acrescentar azeite de oliva, colocar na mesa um jogo americano e um prato, sentar-se e comer aquele mesmo sanduíche com calma e prazer. Da segunda forma, fazer um lanche em vez de almoçar não parece ruim, não é? E também não precisa se julgar por aquele lanche que você comeu apressado. Aceite, foi assim. Ao se julgar, a transformação fica mais difícil. Já quando aceitamos, nos tornamos mais abertos à mudança e podemos pensar em como agir nas próximas vezes.

 Lembrando que o mindfulness não é apenas uma ideia, mas um estilo de vida, de comer e se relacionar com a comida. Como tudo o que nos ajuda a sair do piloto automático, requer treino e persistência.

(Fonte: Centro Brasileiro de Mindfulness e Promoção da Saúde, da Universidade Federal de São Paulo)

 

DRA. ANA LÚCIA B. KUROSKI, Nutricio­nista - CRN/8.601, Especialista em Nutri­ção Clínica. Atende: 3032-5020

2034 visitas






Sua Opinião