VERSÃO IMPRESSA
anteriores
EM CAMPO LARGO 15º | 25º

Sábado | 24 de Outubro de 2020 08:43
Sábado | 24 de Outubro de 2020 08:43
VERSÃO IMPRESSA
EM CAMPO LARGO 15º | 25º

Figo 12/12/2013


Por: Ana Lúcia

12/12/2013

Simbolicamente, podemos dizer que o figo existe desde o início dos tempos, já que sua árvore, a figueira, é a primeira planta descrita na Bíblia, no livro do Gênesis. E realmente, traços de sua cultura foram encontrados durante escavações em regiões do Oriente Próximo, em sítios arqueológicos do período neolítico — de 10.000 a 5.000 anos antes de Cristo.

 Fenícios, egípcios, gregos e romanos veneravam a figueira e o figo — que, em termos botânicos, não é uma fruta, e sim uma inflorescência.

Na Grécia Antiga, era tão valorizado que foram criadas leis para proibir que os figos de melhor qualidade fossem exportados.

Durante o Império Romano, era considerado sagrado: na mitologia romana, a loba que alimentou Rômulo e Remo, fundadores de Roma, descansou sob uma figueira.

Foram os romanos que levaram o figo da região do Mediterrâneo para o resto da Europa, onde continuou a ser um alimento venerado: na França, por exemplo, onde foi introduzido no final do século 8, era comida de reis. Luis 14, o Rei Sol, mantinha uma plantação no palácio de Versalhes com mais de 700 figueiras só para abastecer a mesa real. E, como com os vinhos e champanhes, os franceses têm hoje os seus figos com “denominação de origem controlada”.

O cultivo do figo foi introduzido no México e no Brasil no século 16, pelos colonizadores espanhóis e portugueses, respectivamente. No século 18, missionários espanhóis trouxeram o figo para a Missão que estabeleceram em San Diego, na Califórnia — por conta disso, Mission é o nome de uma das variedades mais comuns naquela região.

A variedade figo Roxo foi introduzida no Brasil em 1900, por um imigrante italiano, na cidade de Valinhos, em São Paulo. Os italianos ali estabelecidos iniciaram a produção comercial de figo e a variedade ganhou o sobrenome da cidade. O figo Roxo de Valinhos é a única variedade comercial produzida no Brasil, e uma das vinte principais frutas exportadas pelo país.

O figo contém algumas substâncias antioxidantes, como os carotenóides, que têm uma ação preventiva no desenvolvimento de certas doenças, como as cardiovasculares e alguns tipos de tumores. Essas substâncias se encontram principalmente na casca do figo, e de forma mais concentrada no figo seco.
No figo seco, o cálcio, embora não seja tão bem aproveitado pelo organismo quanto o cálcio dos alimentos de origem animal, é importante para a formação de ossos e dentes e para a manutenção da massa óssea, ajudando a diminuir o risco de osteoporose.

O potássio ajuda a regular a pressão arterial e facilita as contrações musculares. Depois de atividade física intensa, é útil para repor o mineral perdido.

O beta caroteno, o manganês, o magnésio e o cobre também têm ação antioxidante e, entre outras ações, melhoram a atividade do sistema imunológico.

As fibras alimentares contribuem para o bom funcionamento do aparelho digestivo, diminuem o risco de câncer do cólon e ajudam a normalizar os níveis de colesterol e glicose no sangue.

O figo também contém uma quantidade razoável de oxalatos. Essas substâncias são produzidas naturalmente em plantas e animais. No organismo humano, se atingem concentrações elevadas, podem estar associadas a formação de cálculos renais ou da vesícula biliar.  (Fonte: Enciclopédia Nutrição)
 

5700 visitas






Sua Opinião