VERSÃO IMPRESSA
anteriores
EM CAMPO LARGO 15º | 25º

Sábado | 24 de Outubro de 2020 08:34
Sábado | 24 de Outubro de 2020 08:34
VERSÃO IMPRESSA
EM CAMPO LARGO 15º | 25º

Projeto piloto de lousa digital em colégio de Campo Largo

O Colégio Estadual São Pedro e São Paulo, no Ferrari, foi a instituição escolhida para receber o equipamento por conta dos destaques que vem conseguindo ao longo dos anos  

Por: Caroline Paulart

O Colégio Estadual São Pedro e São Paulo (CESPSP), localizado no bairro Ferrari, recebeu na última quinta-feira (13) representantes do Núcleo de Educação, que entregaram uma lousa digital para projeto piloto da Secretaria Estadual de Educação do Paraná. Estiveram presentes professores, colaboradores, equipe pedagógica, direção e alunos representantes do grêmio estudantil. Independente da implementação futura ou não, o equipamento já pertence ao colégio.

A Folha de Campo Largo esteve presente durante a apresentação do equipamento, que é composto de um quadro branco, feito a partir de material reciclável, um mini-computador, que fica instalado ao lado do quadro, um projetor com lâmpada de LED e uma caneta digital, responsável por realizar toda a interação com o material. A tecnologia foi desenvolvida em Santa Catarina e, conforme contou o sócio-proprietário da empresa, Jorge Regis, a lousa digital já foi apresentada inclusive na Europa e apresenta manutenção baixa, com aproximadamente 10 anos de duração do LED.

Além de servir como um quadro, que pode ser escrito com marcador para quadro branco, a lousa digital, assim que ligado o projetor, funciona como um computador, com acesso à internet e acessórios interativos – como anatomia em 3D -, capaz de gravar aulas, que posteriormente serão transmitidas via internet, captando imagem e som de dentro da sala de aula durante a explicação do professor. Não há nenhum fio conectado à lousa, que responde à rádiofrequência, laser e precisa de conexão com a internet via Wi-Fi. Para que o material seja bem aproveitado, os professores passarão por treinamento.

O diretor do colégio, Ramiro de Oliveira Junior, classificou como positiva a vinda do equipamento para o CESPSP. “Nós recebemos um quadro apenas para realizar essa experiência inédita no Paraná. A informação que nós receberíamos esse equipamento aconteceu no último dia 10 de agosto e a instalação foi realizada no dia 12. Nós, que estamos na parte administrativa e educacional vemos esse investimento de uma maneira bem positiva, mas temos em mente que os alunos são bem mais avançados no quesito tecnologia. Enquanto nós usamos como ferramenta de trabalho, eles usam como lazer e acabam tendo um domínio completo dos equipamentos e são mais intuitivos na hora do uso, pois para eles é normal. Há uma preocupação também de alguns pontos que precisarão ser discutidos – como usar, quando usar, se haverá críticas, se os alunos vão aprovar ou se os professores conseguirão se adequar. Vamos aprender a utilizar com sabedoria e bom senso.”

Roni Vieira, diretor de Educação do Estado, explicou que o CESPSP foi escolhido por ser uma instituição que está sempre em destaque dentro das provas aplicadas e das competições escolares. “É um colégio de grande destaque dentro do Paraná, especialmente na Região Metropolitana Sul, nos seus resultados, na qualidade de ensino que vem sendo empenhada pelos professores, equipe pedagógica e direção. Esse é um equipamento de demonstração apenas, que já vem sendo usado nas escolas catarinenses, mas ainda é algo a ser analisado, não há um anúncio oficial sobre aquisição para os demais colégios, pois este é um projeto piloto. Será muito positivo para a Educação como um todo se ele vier a se tornar efetivo.”

Outra autoridade presente no dia da apresentação do equipamento foi a Chayane Rocha, chefe do Núcleo da Área Metropolitana Sul, a qual explica que devido à necessidade das aulas online, entendeu-se a necessidade do avanço dentro de sala de aula. “Há um olhar carinhoso por parte da SEED-PR, onde ela busca formas de melhorar as aulas do professor em sala de aula e também atingir, de maneira não presencial, esses alunos. Hoje a nossa intenção é perceber essa prévia de como funcionaria essa lousa digital, de como ela funcionaria essa interação entre professores, alunos e equipamento dentro da nossa rede. Além desse equipamento, da caneta óptica, também há um software que está sendo desenvolvido, visando suprir todas as necessidades educacionais dos professores e alunos.”

“Serão pontuados todos os benefícios que isso poderá trazer para a escola, professor e aluno para que melhore o processo de ensino-aprendizagem. Isso demanda tempo e vamos fazer tudo com cautela, de maneira minuciosa, para que se efetiva essa implementação, seja um investimento que traga somente benefícios aos alunos”, finaliza.
 

1270 visitas






Sua Opinião